0
DIY

As Emoções e as Crianças

2 de Agosto, 2018

Quando lidamos com Crianças pequenas, seja por serem nossos filhos, familiares ou alunos, com o passar dos meses vamos percebendo que eles crescem a uma velocidade alucinante que nos trás tanto um sentimento de orgulho, como um sentimento de nostalgia e de desejo de que o tempo vá mais devagar.

No meio de todo este crescimento chega a um momento em que nos apercebemos que o desenvolvimento das Crianças vai muito além da aquisição da motricidade fina e grossa, do trepar coisas, do andar de bicicleta, de dizer “mamã” ou “papá”. Há uma fase em que  percebemos que lhes falta algo de máxima importância e que chega a deixa-las frustradas.

Estamos aqui a falar da gestão e verbalização de emoções.

Este é um ponto muito importante e que infelizmente não é muito falado. Quando as Crianças começam a sentir esta necessidade de se exprimirem mas não conseguem  pois ainda não desenvolveram essa capacidade, começam a surgir muitas vezes momentos de algum stress como as chamadas “birras”.

Cabe, portanto, ao adulto, ter esta noção e ajudar a Criança a passar esta fase da melhor forma possível dando-lhes todas as ferramentas de que precisa. Não temos que ter medo ou achar prematuro falar de emoções com elas. Defendemos que é de facto importante introduzir este tema a partir dos 18 meses/24 meses, dependendo sempre das necessidades de cada Criança.

 

O que é qua emoção?

Temos de começar pelo princípio e responder à questão: “o que é uma emoção?”

A emoção nada mais é do que a manifestação física, natural e espontânea ligada à percepção de um determinado evento no nosso ambiente ou na nossa mente. Segundo a Psicologia existem as chamadas emoções fundamentais, que são aquelas emoções base que todos sentimos.

3

Segundo o psicólogo americano Paul Ekman existem as seguintes emoções fundamentais:

  • Tristeza;
  • Alegria;
  • Raiva;
  • Medo;
  • Repugnância.

Segundo a psicóloga Isabelle Filliozat existem:

  • Medo;
  • Raiva;
  • Tristeza;
  • Prazer;
  • Felicidade;
  • Amor.

Como podemos ver, segundo a Psicologia as emoções base podem variar, mas elas estão lá e isso não podemos ignorar. A forma de expressar as emoções pode variar muito culturalmente. Até mesmo dependendo do género, por exemplo, as raparigas são incentivadas a expressar a tristeza e os rapazes são mais incentivados a expressar a raiva. Quantas vezes ouvimos a expressão “Um homem não chora?

Aprender a identificar as emoções

Different emotions collage

As nossas Crianças estão em crescimento e em plena fase de aquisição de conhecimentos em relação a tudo. Elas não escolhem ter determinada emoção ou ter determinada reacção a um evento pelo qual estão a passar. As Crianças estão realmente a sentir aquilo, são espontâneas. O nosso papel como cuidadores é ajuda-los a ter percepção dessas emoções e saber como geri-las.

Como já referimos, a partir dos 18 meses as Crianças começam a viver emoções que lhes são difíceis de gerir. Quando temos esta percepção está então na hora de lhes oferecer todo o vocabulário correcto para que se consigam expressar da melhor forma.

Este trabalho começa pelo adulto, temos o papel essencial de dars nomes ao que estamos a sentir.

“ Estou muito feliz por teres vindo hoje.”

“ Estou triste porque mordeste o Luís.”

“ Estou orgulhosa porque vestiste o casaco sozinho.”

Temos que ser os primeiros a saber expressar por palavras o que estamos a sentir. Devemos ser sempre o mais descritivos possível e não ter medo que seja demasiado complexo para as nossas Crianças.

Como podemos praticar uma escuta activa e empática com as nossas Crianças se não nos conhecemos a nós mesmos?

Em Montessori, muito além de falarmos em materiais específicos ou quartos montessorianos, falamos de um dos três pilares base da pedagogia, o Adulto Preparado. No campo das emoções não poderia ser diferente, o adulto tem que primeiramente estar preparado para poder transmitir este tipo de ensinamentos à Criança.

Como escrevemos no artigo A fase do morder e do bater, uma fase pela qual as Crianças passam e que nem sempre é fácil de lidar. Essas fases nada mais são do que um pedido de ajuda das Crianças para situações que estão a viver e que não sabem como expressar ou ultrapassar. Muitas das vezes trata-se apenas e só da imaturidade emocional das Crianças nessa fase. Não sabem o que estão a sentir ou como exprimir o que estão a sentir e essas acções são as formas que encontram para o fazer.

Emoções e Sensações

As emoções estão directamente relacionadas com as sensações. Não podemos falar de emoções sem antes falar das sensações.  As sensações são-nos fornecidas pelos cinco sentidos, pelo que sentimos dentro de nós. As emoções são sempre acompanhadas de sensações, por exemplo:

– A raiva é acompanhada pelo coração acelerado, punhos cerrados, sensação de calor;

– A felicidade é acompanhada pela paz interior, pela tranquilidade, pelo sorriso.

As emoções acompanham-nos ao longo de toda a nossa vida, sendo essencial ajudar as Crianças a compreende-las e sobretudo a aceita-las. Se as queremos preparar para a vida temos que lhes proporcionar este tipo de conhecimento, de autoconhecimento.

As fases das emoções e a repressão das emoções

As emoções ocorrem em 3 fases:

  • Fase de carregamento
  • Fase de tensão
  • Fase de descarga

Quando não expressamos uma emoção o nosso corpo não passa pela fase de descarga e fica em tensão. Por exemplo no caso do medo. Esta é uma manifestação que nos permite escapar, proteger ou evitar algo, é uma resposta ao perigo. A ansiedade é um medo natural, mas que ocorre quando nos deparamos com situações novas e desconhecidas, é uma emoção, um sentimento que nos permite preparar para enfrentar algumas situações. É saudável passarmos por este processo.

Contudo, quando por outro lado, reprimimos uma emoção estamos a provocar as chamadas reacções emocionais parasitárias. Estas reacções não permitem que passemos pela fase 3 de descarga da emoção e com isso reforçar a sua expressão. Ou seja, isto leva a comportamentos desproporcionais, irracionais ou inadequados para a situação que estamos a viver. Acontece muitas vezes porque a emoção que deveríamos apresentar é ou foi reprimida e/ou proibida em tempos. Por exemplo, uma Criança que é proibida de chorar (caso da expressão “um homem não chora” ou “isso não é motivo para chorar!“) pode levar a Criança a ficar com raiva por assim ser mais ouvida e respeitada e com isso levar a um comportamento inadequado para o momento.

A nossa missão como adultos é estarmos preparados para transmitirmos estes conhecimentos do Eu às nossas Crianças. Temos que nos saber ouvir e expressar para que possamos mostrar às nossas Crianças como reagir a agir a determinadas situações ou emoções.

Ideias Práticas

Colocando tudo isto na prática, deixamos aqui algumas ideias de como começar a introduzir o tema das emoções às nossas Crianças. Devemos começar a fazê-lo assim que sentirmos que elas estão preparadas e nos mostram a tal necessidade de se expressar sem que consigam, quer por não terem as ferramentas, quer por ainda estarem em fase de aquisição de linguagem.

13

Cartões das emoções:

Uma ideia bastante interessante é prepararmos cartões que mostrem as diferentes emoções às Crianças para que possam assim perceber melhor como expressar cada uma delas ou até mesmo ir buscar o cartão que representa o que estão a sentir no momento.
Aconselhamos os cartões do blog Elternvommars

ou

Do site:  bougribouillons.fr

Livros:

Podemos sempre recorrer a livros sobre o tema, deixamos aqui alguns:

  • Diário das Emoções, Anna Llenas
  • O Grande Livro das Emoções, Didáctica Editora
  • Eu controlo as emoções!, Paulo Moreira

 

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply

Siga-nos no Instagram!
This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram Access Token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.