0
Educar para a Paz

A solução de Maria Montessori para os traumas de guerra nas Crianças

30 de Maio, 2018

captura-de-ecrc3a3-38.png

As Crianças estão psicologicamente esmagadas e cansadas. Quando fazemos actividades como cantar com elas, elas não respondem de todo. Elas não riem como fariam normalmente. Elas desenham imagens de crianças a serem esquartejadas na guerra, ou tanques, ou o cerco e a falta de comida”.

Professor na cercada cidade de Madaya para a Save the Children.

Esta citação abre um estudo recente intitulado de “Feridas Invisíveis” e publicado pela Save the Children Fund, que teve por fim examinar a saúde mental e o bem-estar físico das Crianças sírias. Este estudo atestou o que Maria Montessori defendeu arduamente: com o apoio certo, estas Crianças podem ser reabilitadas.

É impossível não nos deixarmos emocionar e revoltar com as imagens assombrosas que nos chegam dos efeitos devastadoras da guerra, entre as quais as que relatam o sofrimento e a dor das Crianças.

Na Síria, em conflito há mais de sete anos, as Crianças experimentam graves e perturbadores desafios emocionais que terão efeitos sobre o seu desenvolvimento cognitivo, emocional e físico, podendo a próxima geração de sírios enfrentar uma capacidade mental e física severamente diminuída.

Maria Montessori, que também viveu em clima de guerra, não ficou indiferente à importância de se tentar fazer alguma coisa pelas Crianças vítimas da guerra, com traumas a marcarem profundamente a sua psique, com influencia directa no seu sistema nervoso, e a representarem efeitos incapacitantes para o resto das suas vidas. Dedicou parte dos seus estudos e esforços na procura de uma forma de enfrentar a devastação psicológica destas Crianças, o que concluiu ser possível através de um forte e concreto programa de educação.

Os Traumas de guerra nas Crianças

Em 1916 Maria Montessori observou, a propósito dos traumas criados pela guerra e através das observações que realizou, que “Encontra-se, nestas crianças refugiadas, uma forma especial de perturbação mental, que constitui uma ferida mental real – uma lesão que é tão grave, se não mais grave, do que feridas no corpo físico. Imagine estas inúmeras pequenas vítimas, que sofrem; sofrem de fome e de fadiga; muitas vezes feridas fisicamente também; que sofrem de infecções de todo tipo; mas também desta lesão mais profunda e prolongada do sistema nervoso. Sabemos que o tratamento de doenças nervosas não pode ser feito através da medicina. O tratamento do sistema nervoso ou dos nervos pode ser correctamente alcançado pela educação.

Esses traumas, bem longe do alcance da experiência humana típica, conduzem a níveis surpreendentes de dano e dor, fazendo com que essas Crianças não consigam comer, dormir ou interagir com outras pessoas.

Actualmente, várias organizações como a Save the Children, Médicos Sem Fronteiras e a Human Rights Watch relatam a existência de doenças psicológicas graves, como a depressão, a ansiedade e a psicose, bem como de um aumento da automutilação e tentativas de suicídio nos campos de refugiados.

Tal como refere Melissa Fleming, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, “as crianças refugiadas correm o risco de se tornarem numa geração perdida de crianças não educadas, traumatizadas e perigosamente frustradas. E, no entanto, elas falam da educação como a coisa mais importante das suas vidas, porque as ajudam a concentrar-se numa esperança e não no ódio, nos seus futuros e não nos pesadelos do seu passado “.

Cruz Branca

Maria Montessori acreditava no poder transformador de uma educação de desenvolvimento, e que os melhores impedimentos para a guerra eram o fortalecimento do carácter, a nutrição do espírito e o que passou a ser conhecido como a psicologia positiva. Esta psicologia revela um princípio fundamental de “Paz através da Educação“, muito presente em Montessori, e que marcou profundamente o desenvolvimento do seu Método.

Com base neste entendimento Maria Montessori defendeu a criação da Cruz Branca, uma associação humanitária supranacional “daqueles que desejavam salvar o futuro da humanidade e sarar as feridas nos corações dessas Crianças”. Esta foi pensada para funcionar em paralelo com a Cruz Vermelha, com o objectivo de desenvolver a aplicação do Método Pedagógico em benefício de Crianças traumatizadas pela guerra. A cor branca foi escolhida para defender o sistema nervoso, diferente da Cruz Vermelha, que representava o sangue de soldados feridos.

De acordo com Maria Montessori, as pessoas a integrar a referida organização iriam ter formação específica em “primeiros socorros, conhecimento de doenças nervosas, dietética para lactentes e crianças, separação, psicologia especial, ciência doméstica, agricultura, linguagem e um curso teórico e prático no Método Montessori especialmente aplicado a essas Crianças“. O objectivo seria estarem preparadas para ensinar as Crianças a serem membros funcionais da sociedade.

Maria Montessori acreditava que através da estimulação dos sentidos das Crianças e pela repetição de actividades num ambiente estável, as Crianças poderiam efectivamente recuperar as suas faculdades mentais danificadas, caso contrário, os sintomas tenderiam unicamente a piorar.

De facto, algumas actividades e materiais implementaria com base neste entendimento acabaram por se mostrar apaixonantes e eficazes, servindo ao longo do tempo para despertar os sentidos das Crianças entorpecidos pela guerra e ajudá-las

No entanto, esta abordagem inovadora encontrou uma forte oposição relativamente às convenções médicas da época, e ninguém respondeu à sua chamada. Maria Montessori não desistiu de lutar arduamente para a criação desta organização. Muitos aplaudiram os seus esforços, mas ninguém concedeu apoio financeiro, cingindo-se esse apoio às iniciativas que proporcionavam alívio material exclusivo para Crianças.

children-60743_640

Os contornos da guerra actualmente cada vez mais se direccionam para o ataque de civis, pois é cada vez mais ténue a fronteira entre os militares estaduais e as milícias locais. De acordo com as Nações Unidas, actualmente 90% das vítimas de guerra são civis, representando as Crianças uma proporção considerável do número de mortes à medida que as escolas e os hospitais vão sendo atacados em violação de todas as leis humanitárias internacionais de Direitos Humanos.

As ideias de Maria Montessori têm inspirado o trabalho de várias organizações envolvidas no resgate de civis e prestação de cuidados, o que constitui uma forte esperança para o futuro. No entanto, vemos os países a fecharem as suas portas aos refugiados e vemos tantas ONGs com cada vez menos recursos, fazendo-nos lembrar algumas das dificuldades sentidas por Maria Montessori quando pensou na implementação da Cruz Branca,

Nesta semana em que se celebra em muitas nações do mundo o Dia Internacional da Criança, não podemos deixar de questionar e levantar os enormes obstáculos que estas encontram ao seu refúgio, ao seu tratamento, ao seu futuro, à recuperação dos seus traumas. Há uma longo trabalho pela frente no que respeita a uma mudança de mentalidade que é fundamental para erradicar os motivos que estão na base de qualquer guerra, sendo um trabalho da responsabilidade de todos nós, pois a solução, tal como defendia Maria Montessori, reside na Educação das Crianças. Estes adultos de amanhã contêm em si o futuro da Humanidade.

 

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply

Siga-nos no Instagram!
This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram Access Token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.